A música nasceu em 2008 no ritmo de funk na Bahia...

10/03/2012 23:22

Conhecido internacionalmente, o refrão-grude do hit “Ai se Eu te Pego” tem nome, sobrenome e razão de ser. A música, sucesso sem fronteiras na voz do paranaense Michel Teló, nasceu em 2008 e tem raízes fincadas, quem diria, no funk: a baiana Sharon assina a canção, que foi executada pela primeira vez em Eunápolis, no interior da Bahia.

 

Quem conta a história de “Ai Se eu Te Pego” é o cantor Norberto, da Cangaia de Jegue – grupo que estourou o hit na Bahia. ” A primeira versão da música era um funk, lançado por Sharon, que assina a letra. Conheci em 2009, já que fui um dos dançarinos do grupo dela”, conta em entrevista ao iBahia. “Antônio Dyggs é responsável pela versão forró. Tudo começou no show da banda Meninos de Seu Zeh, no Kabanas, em Feira de Santana. Ele pegou o refrão e adaptou pro ritmo em que hoje é conhecida”, relata.
 
No atual formato, a música foi parar, em meados de 2009, na voz de Norberto. “Experimentamos em diversos shows, e resolvemos gravar. Como já conhecia tanto Sharon quanto Dyggs, já que tocamos na fazenda dele algumas vezes, não pagamos nada pelo direito de executar a música”, diz. O sucesso de “Ai se Eu te Pego” veio atrelado à dancinha típica, também protagonizada pelo Cangaia e seus dançarinos nas apresentações. “Acho que o refrão fácil, a dancinha, o ritmo, tudo contribui para a popularização da música”, conta o vocalista do grupo.
 
Michel Teló e o Hit
Não foge do normal dois artistas gravarem o mesmo hit e fazerem sucesso. Mas, como Michel Teló e Cangaia de Jegue trabalharam a música mais ou menos na mesma época, fica a dúvida: a maior repercussão na voz de Teló, que gravou um ano e meio depois do Cangaia, causou ciúmes no grupo baiano? Segundo Noberto, a resposta é não. “Houve um investimento absurdo do Teló nesse hit. Por trás dele há uma gravadora, contratos com grandes mídias e um esquema muito pesado de divulgação. É um dinheiro que a Cangaia não tinha para investir. Então, é mérito dele todo sucesso que fez”, explica. Sem dores de cotovelo, Norberto sabe reconhecer a participação da Cangaia na popularização da música. “Somos responsáveis pelo estouro a nível local. Na Bahia e em alguns estados do Nordeste, as pessoas associam o hit ao nosso grupo”, conta.
 
E pra provar que o mercado da música é mesmo algo complicado, a Cangaia de Jegue confirma que o fato de Teló ter feito sucesso com o hit, mesmo tendo sido antes gravado por eles, ajudou a alavancar a banda. “No Youtube, nosso vídeo já tem mais de 3 milhões de visualizações. Quando as pessoas assistem o Teló, veem nos vídeos associados e ficam curiosos para conhecer nossa versão”, conta. Contrato com gravadora, música na voz de outros cantores nacionais e gravação de novo disco estão nos planos do grupo baiano. ” Guilherme e Santiago querem gravar uma de nossas músicas. Quanto ao novo CD, estamos gravando, e deve ser lançado pela Som Livre em março deste ano”, diz. Shows no eixo Rio-São Paulo também estão sendo negociados pela produção da banda. Por enquanto, os meninos tem apresentações agendadas para o dia 7, em Brumado, e 14, em Madre de Deus, interior da Bahia.

Deixe seu comentário

Nenhum comentário foi encontrado.

Novo comentário