Agressora mata namorado com facada no peito, se apresenta à polícia e é dispensada

27/09/2012 09:42

Parte da família de Elinoé se reuniu para falar do parente e contestar liberação

A família do atendente Elinoé Santos de Almeida Sena, 25 anos, não consegue entender como a mulher que o matou com uma facada no peito não foi presa em flagrante, mesmo tendo sido encontrada momentos após o crime, na madrugada de anteontem. Tailma Oliveira Costa, 18, morava com Elinoé há cinco meses em uma casa na Rua Alcides Barreto, em Sussuarana Velha, local do crime.

Após uma discussão do casal, Tailma deu uma facada no peito de Elinoé. Segundo a delegada Simone Moutinho, do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), Tailma não foi presa em flagrante porque se apresentou espontaneamente. A assassina confessa foi interrogada e liberada em seguida. “Autuar em flagrante uma pessoa que se apresenta espontaneamente é abuso de autoridade, de acordo com o Código Penal”, afirma a delegada.

Tailma disse em depoimento que agiu em legítima defesa. Simone Moutinho ressalta que todos os indícios indicaram a versão da autora. “Há testemunhos de que ela e ele estavam com faca. Tailma disse que era ela ou ele”, conta a delegada. “Mas as investigações ainda estão em andamento”, completa. Agora é o delegado do DHPP Vinicius Brandão o responsável pelo inquérito. Ele disse estar ouvindo as testemunhas para elucidar o caso. “Caso se comprove a intenção de Tailma em matar Elinoé, eu vou pedir a prisão preventiva dela”, explica o delegado.

 

Advogado discorda de delegada

Elinoé deixou os pais e 11 irmãos. “Tailma foi a primeira namorada dele. Ela era muito ciumenta. Ele se afastou até da família quando começou esse namoro. Ela não gostava que ele falasse com mulher nenhuma”, declara Enoque Santos, irmão da vítima. “Meu irmão era um cara tranquilo, trabalhador, pedia a bênção ao pai. Não acredito que ele tentou bater nessa mulher”, completa. O advogado criminalista Francisco Buisine discorda do entendimento da delegada para liberar Tailma do flagrante. “Mesmo ela se apresentando, a delegada teria que dar o flagrante. Foi um homicídio. A não ser que seja uma legítima defesa, que, nesse caso, se caracteriza com lesões no corpo dos dois”,  explica.

 

Era agressiva

Vizinhos de Elinoé contam que Tailma era muita agressiva e a discussão do dia do crime começou porque ele encontrou mensagens de outro homem no celular dela. “Ele subiu para falar com o marido da cunhada dizendo que estava indo embora, mas retornou para casa para pegar os documentos. Nessa hora ele levou a facada”, relata Amilton Costa. “Ela batia no rapaz e ele nem reagia. Aconselhei ele a se separar, mas ele achava que ela mudaria”, conta Antônia Maria de Jesus

Deixe seu comentário

Nenhum comentário foi encontrado.

Novo comentário