Carta anônima denuncia local dos restos mortais de Eliza Samudio

25/06/2012 20:03
A mensagem indica que os restos mortais de Eliza estão em um poço, que seria um lugar de desova, na Região Norte de Belo Horizonte.
 
Uma denúncia anônima pode por fir ao mistério sobre o desaparecimento de Eliza Samudio. O advogado José Arteiro Cavalcante, que representa a mãe da ex-namorada do goleiro Bruno Fernandes, afirmou ter recebido uma carta indicando o local onde estariam os restos mortais da suposta vítima do ex-atleta do Flamengo.
Segundo informações do G1, a carta foi recebida por Sônia Samudio, mãe de Eliza, nessa quarta-feira (20) em Belo Horizonte, onde ela participou de um programa de televisão. A mensagem anônima indica que os restos mortais de Eliza estão em um poço, que seria um lugar de desova, no bairro Planalto, na Região Norte da capital de Minas Gerais.
Arteiro já havia recebido informação semelhante e disse ao G1 que agora vai recorrer à polícia para investigar a denúncia, mas a assessoria da Polícia Civil informou que o chefe do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) de Minas Gerais, o delegado Wagner Pinto, ainda não teve acesso à carta. 
Desde 2010, quando Eliza despareceu, a polícia realizou diveras buscas pelo corpo da suposta vítima do goleiro, como no sítio do goleiro, em Esmeralda, que foi vasculhado pela polícia, e na casa do melhor amigo de Bruno, o ex-policial Marcos Aparecido dos Santos, conhecido como Bola, em Vespasiano.

Bruno reconhece filho de Eliza
O goleiro Bruno Fernandes já assinou os documentos para reconhecer o filho Bruninho, que teve com a ex-amante Eliza Samudio. O advogado Rui Pimenta, que defende o jogador, disse que a documentação foi enviada para a Vara de Família de Minas Gerais.
Na segunda-feira (18), o advogado esteve na Penitenciária Nelson Hungria, em Minas Gerais, onde o jogador está preso. Rui Pimenta contou que Bruno perguntou pelo filho e mostrou-se animado com o fato de o reconhecimento já estar encaminhado.
 
Dois anos de desaparecimento
O desaparecimento de Eliza completou dois anos no início do mês. Além de Bruno, há sete réus no processo, que acumula 44 volumes e um amontoado de páginas. A modelo teve um relacionamento com o atleta e dizia que o filho dela era do goleiro.

A Polícia Civil acredita que, a mando de Bruno, Eliza foi morta em junho de 2010. Bruno e mais dois réus estão presos em Minas Gerais. O goleiro, que vivia um dos melhores momentos da carreira jogando pelo Flamengo, foi detido em julho de 2010 sob acusação de homicídio.

O amigo dele, Luiz Henrique Romão, conhecido como Macarrão, e o ex-policial Marcos Aparecido dos Santos, conhecido, segundo a polícia, como Bola, também aguardam o processo atrás das grades. O quarto acusado diretamente por homicídio é Sérgio Rosa Sales, que responde em liberdade.

Sequestro e morte
Para a polícia, Eliza foi sequestrada com o filho no Rio de Janeiro antes de ser morta em Minas Gerais no dia 9 de junho. De acordo com o inquérito, funcionários e amigos de Bruno, a ex-mulher e outra ex-namorada estiveram contato com a modelo e com o bebê.

Os advogados de defesa negam a autoria dos crimes imputados pela polícia, denunciados pelo Ministério Público Estadual e pronunciados pela juíza Marixa Fabiane Rodrigues Lopes, presidente do I Tribunal do Júri de Contagem, na Região Metropolitana de Belo Horizonte.

Enquanto houver negativa do pedido de liberdade do goleiro, ele segue preso, pois foi condenado pela Justiça do Rio de Janeiro a quatro anos e seis meses de prisão por cárcere privado e lesão corporal contra Eliza.
 
Fonte: Correio da Bahia

Deixe seu comentário

Nenhum comentário foi encontrado.

Novo comentário