NOTA DE ESCLARECIMENTO DA CERB SOBRE A IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA EM DIVERSAS LOCALIDADES DE MACURURÉ E CHORROCHÓ, NA BAHIA

14/11/2017 22:00

Nota de esclarecimento da CERB sobre a Implantação do Sistema de Abastecimento de Água em diversas localidades de Macururé e Chorrochó

 

Em virtude das dificuldades no início das obras de implantação do Sistema de Abastecimento de Água em diversas localidades dos municípios de Macururé e Chorrochó, a CERB faz uso dos meios de comunicação desta região para trazer alguns esclarecimentos sobre o projeto que será implantado nestes municípios com recursos exclusivos do Governo Federal e Estadual.

Salienta-se que o texto aqui apresentado trata apenas dos aspectos técnicos do projeto, com esclarecimentos das principais dúvidas que a população tem sobre a implantação do Sistema, não havendo nenhum cunho político ou de interesse pessoal.

Os dados apresentados no texto, em sua totalidade, debruçam nos questionamentos realizados pela população à equipe técnica da CERB durante as diversas reuniões realizadas nas comunidades até então visitadas.

Nas reuniões realizadas até o momento pela CERB, priorizou-se esclarecer o projeto à população das localidades de Serra da Júlia, Serra do Tonã, Sítio, Marruá, Rocinha e localidades circunvizinhas. O foco nesta população foi, exclusivamente, por se tratarem das localidades iniciais do projeto (ponto de partida da obra a ser implantada) e por se tratarem das primeiras localidades que serão beneficiadas pelo projeto devido à proximidade dos poços.

Portanto, devemos contestar os boatos que algumas pessoas vinculadas a estas localidades têm espalhado, a respeito de falta de reuniões da CERB com a população para esclarecimentos do projeto a ser implantado. A equipe técnica da CERB realizou, até o momento, um total de 15 reuniões nas localidades supracitadas.

As imagens a seguir são de algumas reuniões realizadas no mês de outubro deste ano:

Reunião realizada em Sítio do Meio no dia 11/10/2017, com participação massiva da população desta localidade e outras da proximidade.

Figura 1: Reunião realizada na localidade de Sítio do Meio no dia 11 de outubro de 2017.

 

Reunião realizada na localidade de Serra da Júlia no dia 26/10/2017, com participação massiva da população desta localidade e outras vizinhas.

Figura 2: Reunião realizada em Serra da Júlia no dia 26 de outubro de 2017.

 

Reunião realizada na localidade de Rocinha no dia 27/10/2017, com participaçãomodesta da população.

Figura 3: Reunião realizada na localidade de Rocinha no dia 27 de outubro de 2017.

 

Reunião realizada na localidade de Marruá no dia 28/10/2017, com participação massiva da população.

Figura 4: Reunião realizada na localidade de Marruá no dia 28 de outubro de 2017.

 

Várias outras reuniões já foram realizadas nestes últimos meses e outras diversas ainda serão marcadas e efetivadas pela Equipe Técnica da CERB, sempre com o intuito de esclarecer o projeto e ouvir da população os seus questionamentos.

No entanto, devido às dificuldades de apresentação do projeto em algumas localidades e para melhor amplitude dos esclarecimentos do projeto, neste texto serão apresentados alguns dados técnicos mais aprofundados. Isso porque algumas pessoas têm interpretado de forma errônea as informações que lhes são passadas, na maior parte dos casos por influência de terceiros mal-intencionados que distorcem informações passadas pela CERB em suas reuniões.

Em outros casos, a falta de informações mais específicas tem provocado alastramento de boatos mentirosos a respeito do projeto que será implantado pela CERB, que prevê levar água de qualidade para mais de 60 localidades e melhorar a vida de mais de 6.600 pessoas.

 

OBJETIVO GERAL DO PROJETO

Melhorar a situação atual do saneamento rural de diversas localidades dos municípios de Macururé e Chorrochó, sobretudo no que diz respeito ao abastecimento de água. O SIAA deverá ser construído num prazo estimado de 12 meses e será alimentado por dois poços tubulares, beneficiando uma população estimada de 6.600 habitantes.

 

RECURSOS DO PROJETO

Todo o recurso destinado à execução da obra está firmado através do Termo de Compromisso TC/PAC Nº 482/14 entre o Governo Federal (FUNASA) e o Governo do Estado da Bahia, publicado no Diário Oficial da União em 12 de janeiro de 2015, com um valor total de recursos assegurados de R$ 18.833.040,72.

 

CONTRATOS DO PROJETO

Já existe contrato para execução da obra com a Construtora Ambiente Engenharia LTDA e já existem os contratos para fornecimento das tubulações do projeto, onde mais de 18km de tubos já estão em campo prontos para execução das adutoras.

O contrato de execução com a Construtora está ativo desde o dia 04/09/2017, há mais de dois meses. No entanto, nenhum serviço foi executado devido aos impasses com alguns moradores das localidades próximas aos poços Serra da Júlia e Serra do Tonã.

 

LOCALIDADES BENEFICIADAS

Já está previsto no projeto o atendimento a 60 localidades (58 no município de Macururé e 2 no município de Chorrochó). Todavia, outras localidades já estão sendo estudadas para viabilizar a sua inserção no projeto como diversas comunidades entre Umburanas e Toitiço no município de Macururé.

Localidades beneficiadas no município de Macururé: Formosa, Marruá, Sítio Buraco D’água, Serra da Júlia, Serra do Domingo, Fazenda Alagoinha, Sítio Quileto, Sítio Novo, Lagoa do Curral, Boa Vista, Fazenda Baixa da Roça, Rocinha, Caldeirão, Fazenda Rochedo, São Francisco, Fazenda Mulungu, Fazenda Pé do Alto, Fazenda Poço Verde, Fazenda Umburanas, Fazenda Salinas, Fazenda Amargosa, Fazenda Pilãozinho, Fazenda Barra do Gama,Lagoa do Caminho, Fazenda Tanquinho, Fazenda Zé Gomes, Fazenda Cunanãzinho, Fazenda Riacho do Meio, Fazenda Caldeirãozinho, Fazenda Poço da Pedra, Fazenda Santo Antônio, Fazenda Perdidas, Fazenda Zéfeirina, Fazenda Areiado, Sítio do Meio, Fazenda Laje, Fazenda Pinda, Fazenda Tintim, Fazenda Cachoeira, Fazenda Quirino Velho, Fazenda Caldeirão Grande, Fazenda Cacimba Grande, Fazenda Riacho do Mulungu, Fazenda Posto Fiscal, Fazenda Lagoa da Vaca, Fazenda Barreiros, Fazenda Umburana, Fazenda Bom Sucesso, Fazenda Várzea Comprida, Fazenda Areia Grossa, Pajaú,Pueira Cavada, Pedra Branca, Santa Maria, Sauim, Fazenda Baleias, Fazenda Riacho da Roça, Fazenda Engenho.

Localidades beneficiadas no município de Chorrochó: Caraíbas e Várzea da Ema.

 

MANANCIAIS DE CAPTAÇÃO

A captação definida para atendimento do sistema de abastecimento de água proposto será realizada através de poços tubulares, de acordo com o quadro hidrográfico da região. Os dois poços que alimentarão o sistema foram perfurados pela CERB ainda na década de 90 (Poço Serra do Tonã em 1997 e Poço Serra da Júlia em 1998), ambos locados sobre a Bacia Sedimentar de Tucano, um dos maiores aquíferosdo País. Existe uma explicação clara e objetiva do porquê da CERB ter escolhido e perfurado os poços nestes dois locais – “É ali que está a água de qualidade e em quantidade para atendimento da população da região e ali é, estrategicamente, o melhor local para distribuição da água do manancial subterrâneo”.

É importante salientar que ambos os poços foram perfurados pela CERB, exclusivamente para o Sistema de Abastecimento que será implantado, uma vez que já à época das perfurações, começou-se a elaboração do projeto em questão, partindo da captação de água nesta região e levando, através de adutoras, para 60 localidades espalhadas nos municípios de Macururé e Chorrochó.

No entanto, ao longo destes últimos 20 anos da perfuração dos poços, não obtivemos sucesso na captação de recursos para a execução do projeto e, somente agora foi conseguido destravar os recursos assegurados para tal.

Infelizmente demorou-se duas décadas para liberação dos recursos. E agora agradecemos que FELIZMENTE este recurso foi liberado para que possamos fazer este projeto acontecer e melhorar a vida de mais de 6.600 pessoas que há tanto sofrem com a seca do sertão.

Apesar das inúmeras explicações dadas pelos técnicos da CREB a respeito dos poços que atenderão o sistema, alguns moradores das localidades de Serra da Júlia, Serra do Tonã, Rocinha, Marruá e Sítio, vem solicitando (sem embasamento técnico) a perfuração de outros poços próximos aos existentes para que sejam utilizados no projeto que pretendemos executar. Projeto este que desde sua concepção já previa a utilização destes poços perfurados pela CERB para tal fim.

Contudo, nas diversas reuniões promovidaspor nossa equipe técnica nestas localidades, foi esclarecido que não há necessidade de perfuração de outros poços, uma vez que os dois existentes conseguem atender com substancial folga a demanda do projeto, como segue:

  • O poço Serra da Júlia tem capacidade máxima de produção de 158,40m³/h e utilizaremos apenas 39,42m³/h no projeto a implantar.
  • O poço Serra do Tonã tem capacidade máxima de produção de 41,68m³/h e utilizaremos apenas 29,34m³/h no projeto a implantar.

Em resumo, em nossas reuniões esclarecemos à população que os poços juntos têm capacidade de fornecer até 200m³/h e que necessitamos de pouco menos de 70 m³/h para atendimento de toda a população do projeto. Ou seja, utilizaremos no sistema apenas 35% da vazão que os poços juntos podem fornecer.

Em outros termos podemos fazer a seguinte análise: Os dois poços existentes têm uma capacidade de produzir até 200m³/h, o suficiente para atender uma população de mais de 30.000 pessoas. O projeto que será implantado contempla 60 localidades com um total 6.600 pessoas, população muito inferior àquela que os poços podem atender.

Portanto, não há justificativa técnica em nenhuma solicitação de perfuração de novos poços, até porque são poços de elevado custo para perfuração devido à profundidade e necessidade de revestimento em grande parte de sua extensão.

Apesar da ênfase com que esses dados são tratados durante as reuniões da CERB, alguns moradores ou “usufrutuários” do sistema atual ainda insistem que não permitirão que o projeto utilize os poços previstos no projeto. Salientam ainda que a CERB deve perfurar novos poços para abastecer o sistema que será implantado, independentemente da vazão que os existentes oferecem e do motivo que eles foram perfurados nesta região na década de 90.

Em resumo, grande parte da população das localidades próximas aos poços já está esclarecida e entende que não há necessidade de perfuração de novos poços. Uma pequena parte quer a perfuração de novos poços por uma questão de segurança no seu abastecimento. E alguns indivíduos específicos querem a perfuração de outros poços para que possam usufruir de demasiadas regalias e gerar riquezas além daquelas que o Estado pode fornecer à população.

 

RESUMO TÉCNICO DO PROJETO

a) Captação: Dois poços tubulares, um em Serra da Júlia e outro em Serra do Tonã, conforme dados apresentados anteriormente.

b) Adutoras: Serão executados um total de 180 km de adutoras.

c) Estruturas de tratamento: Estão previstos os tratamentos por cloração e fluoretação.

d) Estruturas de Reservação: Serão construídos dois reservatórios de concreto com capacidade de 100m³ cada nas proximidades do poço de Serra do Tonã e serão instalados diversos reservatórios de fibra de vidro nas localidades mais povoadas ao longo do sistema.

e) Estruturas de distribuição: Serão executados mais de 32 km de redes de distribuição. As ligações domiciliares serão entregues com hidrômetros individuais para controle. Também está prevista a execução de diversos chafarizes em pontos estratégicos para atendimento da população mais dispersa da região. Será executada tomada de carro-pipa no Reservatório Apoiado de Serra do Tonã para possibilitar atendimento por pipa de outros moradores da região que tenham dificuldade de acesso a água.

 

ESCLARECENDO ALGUNS BOATOS

a) Os caminhões-pipas não ficarão impedidos de terem acesso ao poço Serra do Tonã ao longo da execução da obra. O cronograma de funcionamento do poço deverá continuar o mesmo que existe atualmente. Portanto, não é verdade que os pipas não poderão pegar água no poço quando iniciarmos as obras, inclusive, podemos providenciar melhorias no acesso dos caminhões ao poço para facilitar a operação.

b) Com a construção do sistema também será executada uma nova tomada de água para caminhões-pipas no reservatório de 100m³ que será construído. Portanto, não é verdade que após a conclusão da obra os caminhões-pipas não poderão ser abastecidos no poço Serra do Tonã. Pelo contrário, o novo sistema facilitará o atendimento da população mais distante através dos pipas.

c) Existe um cronograma planejado de execução da obra e de instalação das novas bombas do projeto que será implantado. Este cronograma foi elaborado para não interromper o atendimento da população que atualmente utiliza água dos Poços de Serra da Júlia e Serra do Tonã. Portanto, não é verdade que com o início da obra será interrompido o atendimento das localidades que hoje são beneficiadas.

d) As bombas que atualmente estão instaladas nos Poços Serra da Júlia e Serra do Tonã são equipamentos de pequena vazão que têm capacidade de retirar pouco mais de 8m³/h. Com a implantação do projeto, as bombas dos dois poços serão substituídas por equipamentos mais potentes, com capacidade de bombeio de 70m³/h juntos. Portanto, não é verdade a alegação de que não há água suficiente nem para as localidades próximas ao poço. A verdade é que as bombas instaladas são de pequena capacidade de produção e não conseguem atender à população das proximidades e aos pipas ao mesmo tempo.

A CERB continua disponível para qualquer esclarecimento que se fizer necessário. Diversas reuniões ainda serão realizadas com a população para maiores explicações.

Nosso compromisso sempre foi levar água com qualidade a quem mais precisa por esse sertão afora. E é inspirado nessa missão que prezamos e lutamos para que nossos projetos se tornem realidade.

 

Portal Formosa, seu portal de notícias