NOTA DE FALECIMENTO: 'FABINHO DO ACORDEON' NOS DEIXOU

09/12/2016 18:47

De forma inesperada, na tarde desta sexta-feira (09/12), faleceu Fábio Júnior Rodrigues dos Santos, mais conhecido como Fabinho do Acordeon.

Fabinho residia no Povoado Formosa, no município de Macururé, mais especificamente na Rua Chorrochozinho. Tinha 34 anos de idade. Era casado e tinha uma filha.

Durante muitos anos, Fabinho alegrou muita gente com a sua arte na musica, onde participou como cantor, sanfoneiro e tecladista de grupos como: Fofoqueira do Forró, DDN, Mel de Enxú, Eclipse do Forró, Naldinho Beira Rio e fez participação na Banda 1000 Grau de Santa Luz-BA.

Fabinho tocando na Banda 1000 Grau

 

No dia 24 de junho de 2013, após fazer um show na cidade de Macururé, ao retornar para Formosa em sua motocicleta, pela BR-116, Fabinho foi atropelado e ficou hospitalizado no HGE, em Salvador-BA, por mais de um mês e quinze dias, lutando pela vida. (CLIQUE AQUI E REVEJA A MATÉRIA DO ACIDENTE)

No dia 14 de agosto, após ter alta hospitalar, Fabinho foi recepcionado com muita festa no Povoado Formosa. (CLIQUE AQUI E REVEJA A MATÉRIA E FOTOS)


CLIQUE AQUI E VEJA AS FOTOS DA CHEGADA DE FABINHO À FORMOSA EM AGOSTO DE 2013

 

Aos poucos, de 2013 até os dias atuais, Fabinho vinha se recuperando. Aparentemente estava bem psicologicamente e fisicamente, porém um pouco acima do peso. Fez alguns forrós com teclado e já tinha condições de tocar um show com a sanfona. Tinha muitos planos.

Até o momento não sabemos a causa da morte. Nos últimos dias, ele sofreu quedas e passava mal. Foi ao médico e estava em Feira de Santana fazendo exames. Porém, o estado de saúde do mesmo se complicou e, lamentavelmente, acabou falecendo por volta das 14:30 desta sexta-feira.

O sepultamento será neste sábado (10), a partir das 15h00min, no Povoado Formosa.

 

 

COMENTÁRIOS

_____________________________________________________________________________________

 

Nome: Jucélio Rodrigues

Assunto: Fabinho

 

Não era apenas meu tio, era meu amigo, parceiro, ídolo, irmão...

O que dizer? É difícil encontrar palavras suficientes para mostrar o quanto você foi importante na minha vida. 
Desde de criança você esteve ao meu lado, era meu tio protetor, o cara que fazia acontecer. Eu, você (o chamava de Fain) e Ailton (Itinho) brincamos muito de bola nos campinhos, brincamos bastante de carro de “frande”. Roubávamos panela, óleo, farinha, tempero, pra fazer panelada de passarinho. Nunca matei nem um passarinho kkkkkk, Itinho também matava pouco, mas você, Fabinho, ia lá e resolvia, matava os passarinhos de badogue pra gente comer escondido no mato. Até hoje lembro do sabor e cheiro da farofa de cebola torrada.
Você era quem fazia os carros de lata de óleo, quem remendava as bolas, fazia os badogues, sempre foi muito inteligente, era o nosso líder. Você já era meu ídolo, tudo que eu queria, eu te pedia e te respeitava.
Crescemos, as brincadeiras de criança ficaram de lado, Lidiomar lhe ensinou umas notinhas na sanfona e você aprendeu. Começou a tocar e a gente a te acompanhar com a voz desafinada, com uma zabumbinha de couro de animal, triângulo e a gente alimentava o sonho de algum dia fazer festas. Enquanto isso tocávamos horas e horas no rol da casa de vó Lena. A gente chegou a gravar uma fita ao vivo. Francisca era a cantora. Lembra Chica? Eita, como o velho Lídio gostava e apoiava aqueles forrós.
Aí você me ensinou as notas RE, Mi e LA na sanfona. Me ensinou a ter compasso e a ter ouvido pra saber quando a nota de uma música muda. Poxa, aí nasceu a minha vontade de ser músico.
O tempo passou e Joaozinho comprou um teclado. Você começou a tocar teclado e a gente tudo incutido a ser cantor. Pois é, já fui cantor, desafinado, mas já fui rsrsrs. 
Durante os ensaios, quando Fabinho saia do teclado, eu logo corria pra malinar, doido pra tocar. 
Com o tempo aprendi a tocar uma, duas, três músicas, e no meio das festas que a gente fazia no mercado, Fabinho dava espaço pra eu tocar enquanto ele ia ao banheiro. Obrigado por esses espaços.
Depois você, Fabinho, começou a tocar sanfona na banda Mel de Enxú. Posteriormente, já sabendo tocar um pouco mais, também entrei na banda e viramos parceiros.
No grupo DDN foi onde a gente mais tocou junto, você era o mais experiente, enquanto a gente tentava descobrir o ton da música, você já tinha pegado a musica inteira e já tava fazendo o solo. Tinha um ouvido incrível, rapidinho desenrolava qualquer música. Depois do DDN, veio Naldinho Beira Rio e em seguida acabei entrando em outra banda e acabamos nos distanciando um pouco em relação a tocarmos junto.
Tinha algo que a gente não gostava, Fabinho sempre teimava em viajar de moto e sempre voltava após a festa, as vezes nem dormia. A gente ficava resenhando que era amor de mais por Beatriz, num podia ficar muito tempo longe dela, inclusive o mesmo dizia que queria parar de tocar, pois não agüentava ficar muito tempo fora de casa. 
Foi essa teimosia de preferir viajar de moto, mesmo tendo ônibus todos os dias, que quase lhi tirou a vida, quando foi atropelado.
Você lutou muito pra sobreviver, mas de um mês e quinze dias numa cama de hospital. Nesse período você teve uma guerreira ao seu lado, que foi Beatriz. Só Deus sabe o que ela passou. E ela foi forte e venceu, trouxe você e fez de tudo por sua recuperação total.
Após o acidente, não tínhamos certeza que você voltaria a tocar sanfona ou teclado novamente. Mas você conseguiu, comprou um teclado, mesa de som e chegou tocar algumas festas. Não tinha esquecido nenhuma nota das músicas que tocava antes. O ouvido continuava impecável.
Faltava ainda fazer um show tocando sanfona, foi quando apareceu uma festa em Formosa. Ensaiamos o repertório e você firme na sanfona, estava pronto para o show. Infelizmente, por motivos técnicos, o show não aconteceu. Como a gente tava feliz em saber que você iria voltar a tocar sanfona.
Recentemente te visitei, pegamos o teclado, a sanfona e brincamos, relembramos as músicas velhas, tocamos as novas também. Foi uma tarde feliz pra nós dois e você estava preparado para voltar aos palcos como sanfoneiro. Você tinha muitos planos em relação à música. Infelizmente, o destino não quis.
Meu tio, meu amigo confidente, meu mestre e parceiro de música, meu ídolo, você vai fazer muita falta. Obrigado pelos ensinamentos, pelos conselhos, pelas brincadeiras.
Que você esteja sanfonando no céu. Obrigado por tudo.

 

#LUTO
#FABINHODOACORDEON