Policiais civis decidem não aderir à greve da PM na Bahia

03/02/2012 18:46

Os policiais civis não vão aderir à greve parcial da Polícia Militar. A garantia foi dada por Carlos Lima, representante do Sindicato dos Policias Civis da Bahia (Sindpoc), após consulta à categoria em assembleia realizada na manhã desta sexta-feira (03).

“Já preparamos nossas pautas em assembleia realizada no dia 19 de janeiro e elas serão encaminhadas ao governo no mês de março”, explicou o sindicalista. Ainda segundo Carlos Lima, a categoria se mostrou solidária à Associação de Policiais e Bombeiros e de seus Familiares do Estado da Bahia (Aspra), que iniciou o movimento de paralisação dos policiais, mas não concordou com a paralisação conjunta neste momento.

Uma das pautas que serão encaminhadas ao governo do Estado em março será o aumento do piso salarial da categoria para 10 salários mínimos. “Se não houver negociação e o governo não aprovar nenhuma das nossas propostas, vamos fazer, se for preciso, paralisações e até mesmo greve”, completa Carlos Lima.
“Medidas enérgicas”

Na tarde desta quinta-feira (3), Jaques Wagner se manifestou sobre a greve parcial da Polícia Militar da Bahia, depois de chegar de viagem a Cuba e ao Haiti com a presidente Dilma Rousseff. “Não admitirei que a segurança da população baiana seja colocada em risco por um pequeno grupo de pessoas, ainda mais porque estas desconsideraram a decisão judicial que considerou a greve ilegal”, disse Wagner, se referindo à Associação de Policiais e Bombeiros do Estado da Bahia (Aspra), que decretou a greve.

Ele disse que “na defesa dos interesses maiores da população baiana, continuarei usando medidas enérgicas, caso isso se faça necessário”, salientando que acredita que o diálogo é a melhor saida.