Projetos sociais de Curacá, Canudos e Uauá servem de modelo para o estado do Pará

23/09/2012 11:03

As experiências do Governo do Estado, que promovem a segurança alimentar e nutricional dos produtores familiares baianos, por meio da inclusão socioprodutiva, vão servir de modelo para o estado do Pará. Nesta semana, os representantes da Secretaria de Assistência Social (SAS/Pará) foram recebidos pela coordenação do Projeto Semeando Renda, da Secretaria de Desenvolvimento Social e Combate à Pobreza (Sedes), para conhecer as cadeias produtivas e os resultados positivos da iniciativa, em três municípios do semiárido - Curaçá, Uauá e Valente.

A ação, que é vinculada à Coordenação de Articulação Institucional e Apoio à Mobilização Comunitária (Caiamc), fortalece a economia dos pequenos produtores, com investimentos em capacitação, assistência técnica e financeira, além da implantação de estruturas nas cadeias produtivas do sisal, caprinocultura de leite e fruticultura. De acordo com o coordenador do projeto, Diego Caribé, “essa troca de conhecimentos sobre os programas sociais colaborou para o fortalecimento das ações de enfrentamento à extrema pobreza, que são desenvolvidas nesses estados”.

Segundo a representante da Gerência de Inclusão Socioprodutiva da SAS/Pará, Antônia Lira, “as experiências da Bahia serão aplicadas na execução do projeto de inclusão socioprodutiva, que será implantado no Pará para promover a sustentabilidade de 11.218 famílias, por meio do beneficiamento de produtos como açaí, pescado, cacau, caranguejo e a mandioca”.

 

Qualidade de vida

No município de Curacá, os visitantes verificaram as Unidades de Produção do Leite (caprinocultura de leite) e os bancos de forragem irrigados compostos por plantas forrageiras como a palma, cunhã, sorgo, leucena e guandu, garantindo a alimentação dos animais durante todo o ano. Em Uauá, aprenderam como a Cooperativa Agropecuária e Familiar de Uauá, Curacá e Canudos (Coopercuc) promove a melhoria da qualidade de vida de 1.950 produtores, a partir do beneficiamento e comercialização de frutas nativas como umbu, manga e a goiaba.

 

Fonte: Geraldo José

 

Deixe seu comentário

Nenhum comentário foi encontrado.

Novo comentário